Como definir a verdadeira felicidade? Estar ocupada(o) no seu trabalho? Aproveitar o pôr do sol? Ou apenas passar pelo dia sem nenhum desastre?

Todos nós temos a nossa própria visão de vida ideal, uma vida que é boa, com significado e cheia de criatividade e compaixão pelos outros. Segundo a autora Elizabeth Murray, para alcançarmos essa vida nós precisamos desenvolver e nutrir as qualidades de quatro personalidades diferentes que cada um de nós abriga entre si: o(a) jardineiro(a) que alimenta e observa; o(a) artista que usa a criatividade para descobrir novas possibilidades; o(a) apaixonado(a) que é guiado pelo coração e por suas paixões; e o(a) livre de espírito que expressa a sua gratidão e reconhece as suas bênçãos.

Durante três posts nós vamos te dar todas as dicas possíveis para alimentar essas quatro personalidades e ser uma pessoa extremamente feliz. Vem com a gente:

Respire

A respiração é uma técnica de relaxamento muito antiga e praticada por diversos povos anciãos, que pode ser utilizada a qualquer momento para aumentar a sua vitalidade e felicidade. Saia para o lado de fora da sua casa. Sente no chão ou se apoie contra uma árvore. Respira e expire fundo. Aproveite a sua respiração e tenha consciência dela. Enquanto respira, considere o quanto você compartilha o mesmo ar com o tempo, o calor, o frio, a brisa, o sol. Quais cheiros o ar carrega? Você consegue sentir a estação do ano no ar? Enquanto respira, tenha consciência da natureza ao redor e liberte o(a) seu(sua) jardineiro(a) interior.

Receba o sol

Escolha um dia para acordar antes do sol nascer e esteja pronto para recebê-lo. Acorde antes do sol. Acenda uma vela para te guiar até uma grande janela. Admire as cores que vão surgindo conforme o sol raia. Deixe essa luz inspirar você. Aprecie esse novo dia como um presente único. Escolha acolher ele com boas intenções. Para quem você gostaria de dedicar esse dia? Para quem você gostaria de expressar paz, amor, coragem, sanidade? Junte seus sonhos e considere as suas aspirações para que esse dia seja diferente de todos os outros.

Saboreie os alimentos e seja grato(a) por eles

Compre os seus alimentos de produtores locais ou plante você mesmo seus legumes e vegetais. Convide amigos(a) para vir até a sua casa cozinhar. Procure por receitas e temperos novos, comidas que conectam você com o mundo e com a natureza. Coma refeições inteiramente vegetarianas pelo menos uma vez na semana. E antes de comer, expresse a sua gratidão pelo alimento que você tem na mesa, por quem colheu, cuidou e plantou ele. Um consumo consciente de alimentos ajuda a desenvolver hábitos mais saudáveis e faz com que você aprenda a apreciar a abundância de coisas que tem na vida.

Abrace a noite.

“Nós somos feitos de poeira estelar” de acordo com Brian Swimme. Vá para o lado de fora da sua casa, no lugar mais escuro que encontrar e deite na grama para apreciar as estrelas. Tenha consciência de um cosmo vivo e expandido que existe e a conexão do presente tempo com um tempo mais profundo. Se você consegue ver várias estrelas no céu, admire elas e pense nas constelações, no seu brilho, na história que cada uma delas carrega.

Faça da generosidade um hábito

Viva a sua vida pensando nos valores nativos de que o que importa na vida é quanto você dá para as outras pessoas e não o quanto você possui. Saiba o que você tem o suficiente na vida e o que vocÊ pode oferecer para outras pessoas. Faça a doação de alimentos um hábito mensal. Ajude aqueles que precisam e que não possuem as mesmas oportunidades que você. Lembre-se que na vida o que mais importa é como tocamos as pessoas e como ajudamos elas a chegarem no seu máximo potencial.

Tenha um diário artístico

Tenha um moleskine sem pauta onde você possa simplesmente criar. Um local onde possa escrever suas reflexões, pensamentos, onde possa desenhar coisas, colar gravuras e fotos. Crie paisagens, desenhos, cole palavras de inspiração e de memória de lugares onde você visitou. Exercite a sua criatividade ao registrar a sua vida, seus sonhos e objetivos.

Desenhe

Quando adultos nós temos a tendência de ter menos confiança em nós mesmos e mais julgamentos quando o assunto é arte. Mas quando você se livra desses preconceitos, perceberá a felicidade que é desenhar em um papel. Observe o que está ao seu redor, as cores, formas, movimentos. Liberte a sua criatividade para desenhar e retratar a sua vida, seus pensamentos, suas ideias.

Créditos de imagem: Olesya Kuznetsova/Shutterstock

Banner do site Reinehr.org