Um dos grandes problemas da globalização é o emprego de mão de obra escrava em linhas de produção, muitas vezes envolvendo trabalho infantil. Mas como saber quais marcas estão envolvidas?

Para ajudar a solucionar esse problema e barrar o consumo de produtos de empresas que atuam desta forma, surgiu o Moda Livre, um aplicativo desenvolvido pela ONG Repórter Brasil, que monitora mais de 100 marcas e varejistas envolvidos em casos de exploração de mão de obra semelhante ao trabalho escravo. Na lista estão empresas ainda investigadas e outras que já enfrentaram a justiça, mas que continuam sob a mira do projeto para garantir que estão seguindo as normas que garantem condições dignas de trabalho.

Marcas famosas de grifes internacionais ajudam a compor a lista, que contém também algumas das principais redes de lojas de roupas do Brasil. Para iniciar o processo de investigação, a Repórter Brasil envia para as empresas um questionário, cujo objetivo é mostrar como elas monitoram as condições de trabalho dos funcionários de seus fornecedores. São quatro indicadores básicos:

1. Políticas: quais são os programas adotados para combater o trabalho escravo em sua rede de fornecedores;

2. Monitoramento: como as empresas monitorem esses fornecedores;

3. Transparência: quais são os meios que a empresa utiliza para se comunicar com seus clientes acerca das medidas tomadas para combater o trabalho escravo entre seus fornecedores;

4. Histórico: fornecidos por autoridades, para confirmar se a empresa já esteve envolvida em casos do tipo.

Após respondido o questionário, é gerada uma pontuação, e então, a empresa pode ou não ser incluída na plataforma.

É um bom sistema para evitar alimentar um sistema socialmente corrosivo, mas que tal ir além? Compre de produtores locais: ao invés de comprar um blusão novo em uma gigante do varejo, por exemplo, que tal encomendar um com aquela sua vizinha boa no tricô? Assim você evita se tornar uma engrenagem dessa máquina e ainda ajuda a gerar renda em sua vizinhança.

 

O aplicativo está disponível gratuitamente para Android e IPhone, via PlayStore e AppleStore.

 

Fonte da imagem: /Pixabay.

Banner do site Reinehr.org