Já faz algum tempo que a vitamina D ganhou status de ser uma das substâncias mais importantes para a saúde. Não é por menos: estudos mostram que ela ajuda a proteger os ossos, a evitar problemas cardiovasculares, a manter o peso sob controle e até a combater gripes e resfriados.

Presente em alimentos como salmão, atum, leite e seus derivados, ovo e shitake, a vitamina D precisa da exposição da pele ao sol, sem proteção, para ser sintetizada pelo organismo. Porém, isso não é recomendado por especialistas, pois pode trazer problemas como envelhecimento precoce e câncer de pele. “Não há nível de exposição solar seguro”, alerta Rodrigo Munhoz, vice-presidente para Ensino da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica e membro-diretor do Grupo Brasileiro de Melanoma.

Então fica a dúvida: como garantir a quantidade adequada de vitamina D?

O mais indicado é caprichar na ingestão de alimentos ricos no nutriente e se proteger do sol.

“Antes, não se media a absorção de vitamina D pelo organismo. De repente, começou a se quantificar e ver que muitas pessoas têm deficiência séria dessa substância. Aí, passaram a acreditar que, talvez, as pessoas estivessem se protegendo demais do sol – o que não é verdade, porque a gente sabe que as pessoas não se protegem demais, aliás, elas se protegem de menos”, afirma José Antônio Sanches, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

De acordo com Sanches, é fato que quanto mais sol se toma, maior o nível de vitamina D no corpo. Entretanto, há vários perigos nessa exposição solar. “É questão de bom senso. Tem de se pesar risco e benefício. Eu posso sintetizar mais o nutriente quando tomar sol, mas também aumento muito a possibilidade de ter câncer de pele e de envelhecer a derme”, afirma.

E mesmo sendo bastante popular, não há relação linear entre a absorção de vitamina D e a exposição solar para todos os indivíduos. “Existem pessoas que, apesar de tomarem muito sol, ainda têm dificuldade de atingir o nível adequado do nutriente”, diz Munhoz.

Segundo Sanches, pode ser que fatores individuais interfiram na sintetização da substância pela pele. “Deve ter alguma questão genética aí no meio que ainda não foi bem compreendida”, conclui.

Por isso, o mais indicado mesmo é montar um cardápio rico em vitamina D – ou usar suplementos, quando indicado pelo médico – e nunca se esquecer de usar protetor, boné e tudo mais que tiver direito quando sair ao sol.

*Adaptado por Alberto Dias Filho.

Fonte da imagem: Stevepb/Pixabay.

Banner do site Reinehr.org