Uma nova declaração conjunta da American Academy of Pediatrics (AAP) e The Obesity Society (TOS) aborda o peso do estigma em crianças com sobrepeso ou obesidade e avalia como essa discriminação pode exacerbar problemas de saúde e impedir a qualidade de vida.

Publicada na Pediatrics, a declaração oferece orientação para pediatras e profissionais de saúde sobre como reduzir a discriminação de peso, bem como sobre educar os outros sobre as conseqüências negativas de tais ações, de acordo com os autores, liderados por Stephen J. Pont, MD, MPH, do Centro Médico Infantil da Dell, no Texas Central, e colegas do Comitê Executivo da Seção AAP sobre Obesidade.

Tratar crianças e adolescentes que sofrem com obesidade vai muito além da mudança de hábitos nutricionais e de atividades físicas. Também “trata de abordar o impacto social e emocional que o excesso de peso pode ter na qualidade de vida”, afirmou Pont em um comunicado à imprensa. “Através destas novas recomendações, esperamos incentivar abordagens mais eficazes e empáticas em como abordamos e cuidamos das crianças e famílias com obesidade”, continuou.

O documento observou que o estigma em peso tem numerosas conseqüências para a saúde física e psicológica das crianças, incluindo comportamentos pouco saudáveis que promovem obesidade e aumento de peso.

As organizações citaram a provocação baseada no peso como um contribuidor comum para o isolamento social, com um estudo relatando que mais de dois terços dos jovens de nove a 11 anos que se percebiam como tendo excesso de peso acreditavam que teriam mais amigos se emagrecessem.

Além do bullying baseado em peso por parte de colegas e educadores em contextos escolares, a vitimização também pode ocorrer em casa, com 37% dos adolescentes relatando serem intimidados ou provocados sobre seu peso por um dos pais. “Esta questão precisa estar no radar dos profissionais de saúde pediátricos, que estão entre os poucos aliados que podem oferecer apoio e ajudar a evitar que os jovens se prejudiquem com essas experiências”, afirmou a co-autora Rebecca Puhl, Ph.D., vice-diretora do Rudd Center para Política Alimentar e Obesidade e um colega TOS.

Pont e colegas recomendaram o uso de práticas como modelagem de papéis, aconselhamento de mudança de comportamento e criação de um espaço clínico seguro e acolhedor para ajudar a mitigar a estigmatização do peso na prática clínica.

A equipe também enfatizou a importância da linguagem e da escolha das palavras, incentivando a “primeira pessoa”, como dizer “crianças com obesidade” em vez de “crianças obesas”, bem como palavras neutras como “peso” e “índice de massa corporal”. “As palavras são poderosas e podem encorajar ou prejudicar, e assim, quando se trabalha com famílias que tentam fazer mudanças saudáveis, lembro-me: seja legal, seja paciente ”, disse Pont. “Se conhecermos e evitarmos palavras ou ações que possam ser sentidas como estigmatizantes por nossos pacientes, então eles serão mais bem-sucedidos” concluiu.

Várias recomendações adicionais observadas no documento para ajudar os pediatras efetivamente a prevenir a obesidade entre os jovens incluem:

– Trabalhar com as escolas para garantir que as políticas anti-bullying incluam proteção para estudantes que são intimidados por seu peso;

– Fale contra as representações estigmatizantes na mídia através de comentários, cartas ao editor, apresentações profissionais e campanhas de redes sociais;

– Permitir que famílias e pacientes gerenciem e abordem o estigma do peso nas escolas, em suas comunidades e em casa;

– Incentive os pais dos pacientes a falarem com os professores de seus filhos para garantir que os planos estejam em vigor para abordar a vitimização baseada no peso.

Muitas outras medidas podem ser tomadas para minimizar os danos causados pelo bullying. Para começar, converse com seus pacientes, ouça seus dramas e os assimile. Pode parecer insignificante, mas este é o primeiro passo.

 

*Adaptado de Stigma Experienced by Children and Adolescents With Obesity (American Academy of Pediatrics) por Alberto Dias Filho. Para acessar o artigo completo (em Inglês), clique AQUI.

 

Fonte da imagem: Counselling/Pixabay.

Banner do site Reinehr.org