Recentemente, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo dos Estados Unidos incluiu o magnésio em sua lista de nutrientes importantes pouco consumidos, dada à uma real preocupação com as dietas pobres dos norte-americanos.

De fato, o magnésio desempenha um papel fundamental em nossos organismos, sendo, junto com o cálcio, um nutriente essencial e indispensável para a atividade celular. Os dois maiores problemas são o fato de que nossos corpos não conseguem sintetizá-lo e nossas dietas não costumam conter à dose mínima diária desse nutriente. Na verdade, o que preocupou o governo dos EUA foi justamente o fato de que, de acordo com seus dados, 68% da população está nesse grupo.

Tido como um dos heróis pouco louvados da nutrição, o magnésio atua também em outras frentes, como por exemplo ajudando aliviar dores de cabeça severas e aliviando a ansiedade. A dose diária ideal varia de 310 à 320 mg para mulheres e de 400 à 420 mg para homens, devendo ser ingerido preferencialmente através de alimentos ou bebidas naturais – os suplementos devem ser opção apenas a quem não consegue atingir essas taxas ou está com deficiência severa deste mineral, tendo sido aconselhado previamente por seu médico.

O estresse é um dos maiores inimigos do magnésio: ele pode fazer com que “queimemos” nosso “estoque”, fazendo com que nossa pressão arterial suba consideravelmente, além de poder provocar um aumento na produção de hormônios associados com o próprio estresse, como cortisol e adrenalina, criando um círculo vicioso.

Além disso, ele é essencial para o bom funcionamento de nosso sistema digestivo, ativação muscular e produção de energia. Ele também é super importante para a produção de serotonina, um neurotransmissor associado às fases do humor.

Duas formas bastante eficazes de ingerir magnésio naturalmente na dose ideal é através de legumes e verduras verdes (como espinafre ou brócolis) e amêndoas ou cacau em pó. Há também a opção de ingerir através da água mineral, especialmente a gaseificada, mas isso exige uma leitura cuidadosa do rótulo a fim de checar a quantidade do minério presente na bebida.

 

Fonte da imagem: kkolosov/Pixabay.

Banner do site Reinehr.org