O senso popular diz que permanecer muito tempo sentado é prejudicial para uma série de coisas em nosso corpo. Mas a coisa não funciona bem assim.

Em um estudo¹ publicado recentemente pela Revista Americana de Epidemiologia, o Dr. Peter Smith, do Instituto de Saúde e Trabalho em Toronto, no Canadá, mostrou que empregados que passam por uma jornada diária em pé muito maior do que aqueles que permanecem sentados a maior parte do tempo, são mais suscetíveis à uma série de problemas de saúde. Essa pesquisa rema contra a correnteza, que tem tratado “sentar” como o novo “fumar”; mas a coisa não é tão simples quanto parece.

Ao longo de 12 anos, a equipe de pesquisadores liderados pelo Dr. Smith acompanhou um grupo de 7320 pessoas, metade homens e metade mulheres. O primeiro passo foi coletar informações acerca de suas rotinas de trabalho. Depois, foi realizado um levantamento através de dados do governo canadense sobre a saúde dessas pessoas para determinar quais delas desenvolveram doenças cardíacas: um total de 3,4% – ao isolarmos por gênero, o número sobre para 4,6% para homens, e cai para 2,1% em mulheres.

Em um segundo momento, os tipos de trabalhos realizados foram divididos em grupos: dos que trabalham sentados; em pé; sentados e em pé, alternadamente; acocados e outros.

Os primeiros resultados mostraram que pessoas que trabalham em pé possuem duas vezes mais chance de desenvolver doenças cardíacas do que pessoas que trabalham sentadas ou alternam períodos em pé e sentadas. O mais impressionante foi a constatação de que a regra vale independentemente de se o sujeito é atleta ou não, obeso, diabético, etc.

Existe, de fato, um risco real, e maior, de pessoas que trabalham em pé em funções como vendedores de lojas, operários ou até mesmo professores, de sofrerem um ataque cardíaco. Uma solução simples é manter uma cadeira sempre à mão. Para quem permanece em pé o dia inteiro, sentar-se é tão benéfico quanto cinco minutos de alongamentos para os que passam o dia sentados – e na verdade, o resultado dessa pesquisa não mostra que permanecer o dia todo sentado seja benéfico.

Outro resultado interessante foi que os homens que trabalham em funções mistas (que envolvem permanecer sentado, em pé e eventualmente caminhando) apresentaram 39% menos chances de desenvolverem doenças cardíacas em relação àqueles que permanecem sentados o dia inteiro; enquanto no caso das mulheres a situação de inverteu: em funções mistas elas tem 80% mais chances de desenvolver doenças cardíacas se comparadas às que trabalham apenas sentadas.

Verdade seja dita, não há situação ideal. Aqui no Medictando nós recomendamos à você não deixar seu corpo apenas em uma posição: se trabalha em pé, sente-se um pouco; se trabalha sentado, alongue-se de vez em quando. Os benefícios dessas pequenas quebras de rotina podem ajudar a sua saúde mais do que você pensa.

 

¹Para acessar a pesquisa citada (em inglês), clique AQUI.

 

Fonte da imagem: free/Pixabay.

Banner do site Reinehr.org