Sejamos honestos: hoje em dia, alguns momentos diários de tranquilidade e silêncio são extremamente raros – e todos nós, apinhados de tarefas como estamos, precisamos muito deles. Imagine um professor, que passa o dia inteiro em uma sala lotada; um jornalista que deixa sua rotina ser guiada pela redação; uma secretária ou um executivo em um escritório; um médico com ouvidos sempre atentos para dezenas de pacientes diariamente; a merendeira da sua escola ou da escola de seu filho, fazendo aqueles movimentos repetitivos em um refeitórios lotado.

Estes profissionais, e tantos outros (incluam-se aí também estudantes – porque não?), além dessa rotina barulhenta e estressante, ainda mantém outros hábitos pouco saudáveis em suas horas de descanso: chegam em casa, trocam de roupa e correm para frente do computador ou de seus smartphones para uma submersão na redes sociais. Os tempos de paz e quietude, de verdadeiro descanso, praticamente acabaram – e é justamente por isso que precisamos cada vez mais disso.

Ta-Nehisi Coates, do The Atlantic, em uma recente entrevista à Voxpor exemplo, foi enfático ao dizer que jovens jornalistas precisam sair do Twitter. Em sua declaração não há nenhum sentido de desafeto com a rede social ou qualquer referência aos sérios problemas que andamos enfrentando com fake news; Coates se preocupa mesmo é com a sobrecarga que as redes sociais causam em profissionais cujas rotinas já exigem por si só muito deles.

Não apenas Coates, mas vários autores, como Jk Rowling, cientistas como o físico Carl Jung, e políticos de renome como o Governador da Califórnia, Jerry Brown, já falaram sobre otimização de tempo e rotina a fim de permitir alguns momentos de silêncio em suas rotinas – principalmente como estratégia para atingir objetivos.

Várias pesquisas recentes mostraram que tirar um tempo para apreciar o silêncio (literalmente) ajuda a restaurar o sistema nervoso, condiciona nossa mente a se adaptar mais facilmente à situações complexas, ajuda a nos manter mais ativos e a conservar energia. Um estudo¹ recente, por exemplo, revelou que o silêncio, praticado como se sugeriu no texto até agora, está associado com o desenvolvimento de novas células no hipocampo, uma região ligada à memória e capacidade de aprendizagem.

Mas esse processo do qual falamos até agora não diz respeito apenas a nos mantermos à parte de todas as distrações de nossos escritórios barulhentos, por exemplo. Praticar essa apreciação do silêncio como ela realmente deve ser nos exige tirar um tempo daquilo que mais tem nos consumido: uma supervalorização de nossas reputações: de sempre ter que pensar no quem e em algo que dizer. Aí que entra o problema das redes sociais.

Apesar de estarmos constantemente ocupados, conseguimos separar algum tempo para “aquietar” um pouco nossa rotina. Mas para quem tem dificuldades, separamos abaixo algumas dicas:

 

1. Pontue seus encontros/reuniões com 5 minutos de silêncio entre eles

Se possível, feche seu escritório, vá para um banco de praça, se recolha para o seu carro, ou qualquer outra alternativa, por apenas cinco minutos após reuniões ou encontros (especialmente aqueles bastante estressantes) para meditar ou refletir profundamente.

 

2. Tire um tempo em silêncio de sua tarde em meio à natureza

Você não precisa ser um explorador ou um escoteiro para desligar seu telefone e ir passar algum tempo entre as árvores. Os benefícios de algumas horas na natureza são amplamente conhecidos, em especial o desenvolvimento de um pensamento mais criativo – ou você acha que Henry David Thoreau resolveu se retirar na natureza porque não tinha mais nada pra fazer?

 

3. Desligue-se das redes sociais

Você não precisa excluir sua conta do Facebook ou exorcizar o twitter de sua vida, mas não abrir seu e-mail ou suas contas em redes sociais por algumas horas, ou mesmo por um dia, pode ser realmente benéfico. Ainda que a cidade borbulhe em sons ao seu redor, que seu escritório ferva em gritaria, ou que sua família não faça o mesmo, você já estará praticando o silêncio ao se ausentar do imediatismo e da necessidade de pensar no que dizer o tempo todo.

 

4. Tente meditar

A meditação tem sido alvo de várias pesquisas sobre qualidade de vida e seus benefícios tem se mostrado mais variados do que jamais se imaginou. Se você não tiver perto de sua casa uma possibilidade de retiro para iniciar essa prática, existem vários sites e cursos online que te ajudam começar a meditar – inclusive um aqui no Medictando.

 

Apesar de o mundo estar se tornando cada vez mais barulhento e nossas rotinas mais estressantes, ainda podemos tentar encontrar um tempo em silêncio para nós mesmos. Pense mais sobre isso.

E se você se interessou pelo Curso de Meditação do Medictando, que te ensina a meditar em 21 dias, clique AQUI ou no banner abaixo.

 

¹Para acessar a pesquisa citada (em inglês), clique AQUI.

 

Fonte da imagem: winner01/Pixabay.

 

Banner do site Reinehr.org