Estudos sobre os efeitos positivos da meditação à curto prazo são cada vez mais comuns. De benefícios para o sono e emagrecimento, até estresse e ansiedade, pesquisas tem mostrado uma infinidade de motivos para começar a meditar e poder alcançar resultados paupáveis em até oito semanas. Mas quando tratamos da prática a longo prazo, as possibilidades de retornos positivos são ainda maiores.

Apenas para citar um exemplo: nossas células são formadas por sequências de DNA, protegidas em suas extremidades por “capas” protêicas chamadas de telômeros. Os telomeros ajudam as células a se multiplicar, e com o passar do tempo seu tamanho vai diminuindo naturalmente – quanto mais as células se multiplicam, mais os telômeros vão encurtando. É um processo natural e gradual de envelhecimento: os telômeros encurtam e nossas células morrem. Pode-se dizer, na verdade, que o envelhecimento de uma pessoa é um dos efeitos do encurtamento dos telômeros. E apesar de natural, alguns fatores como o consumo de álcool e drogas, além de tabagismo e exposição à metais pesados, aceleram este processo. Mais recentemente, porém, um estudo (1) publicado por pesquisadores das Universidades da California, Ohio e Utah, mostrou que o estresse também está no rol de complicantes do encurtamento dos telômeros. E é aí que a meditação pode ajudar.

 

Combater o estresse para viver mais

Os mesmos pesquisadores, cinco anos aprós o primeiro estudo, publicaram um segundo artigo (2) sugerindo que a meditar poderia ter impactos diretos sobre a redução do estresse e, consequentemente, a preservação dos telômeros. Esta ideia foi posta a prova (3) em 2013 por um pesquisador da Universidade de Harvard, que estudou dois grupos de controle: um que meditava e outro que não meditava. Os dados coletados dessas pessoas, que incluíram exames médicos, mostraram que aqueles que tinham anos de prática possuíam telômeros mais longos do que outras pessoas com a mesma faixa etária e que não meditavam. Isso corrobora com a ideia inicial de que a meditação, devido aos seus efeitos positivos sobre as células, ajuda a prevenir o envelhecimento precoce e, consequentemente, a proliferação de doenças em nosso organismo.

 

Meditação e saúde cerebral

Mas os benefícios da meditação para o envelhecimento são ainda mais extensos: a saúde de nosso cérebro, por exemplo, pode ser direta e positivamente afetada por ela. Vários especialistas tem afirmado que meditar pode alterar nossa estrutura cerebral, como foi mostrado (4) por pesquisadores do Massachussets General Hospital em parceria com a Universidade de Harvard: eles avaliaram a espessura das matérias cinzentas e brancas de vários pacientes, e descobriram que aqueles que, em uma faixa etária de 40 a 50 anos, mantinham o hábitos de meditar, possuíam estrutura cerebral semelhante à pessoas saudáveis, que meditavam ou não, que tinham entre 20 e 30 anos de idade.

Envelhecer pode parecer assustador, mas são nossos hábitos hoje determinarão nossas experiências daqui a alguns anos, e a meditação pode ser uma grande aliada para quem quer encarar a velhice com corpo e mente equilibrados e saudáveis.

 

Se você sempre quis aprender a meditar mas não sabe por onde começar, que tal dar uma olhada no nosso Desafio da Meditação em 21 dias? Para se inscrever basta clicar AQUI ou no banner abaixo.

 

(1) Para acessar a pesquisa citada (em Inglês), clique AQUI.

(2) Para acessar a pesquisa citada (em Inglês), clique AQUI.

(3) Para acessar a pesquisa citada (em Inglês), clique AQUI.

(4) Para acessar a pesquisa citada (em Inglês), clique AQUI.

 

Foto: Jonn Leffmann

Banner do site Reinehr.org