Um dos maiores problemas que enfrentamos ao envelhecer é a procrastinação, e isso se sem reflete em todas nossas atividades do quotidiano, não apenas no que diz respeito à nossas atividades físicas.

Chegar aos 40 anos de idade saudável requer algum esforço, é verdade, mas continuar a vida sem maiores problemas exige um pouco mais. Como dissemos acima, a procrastinação afeta todas nossas atividade diárias, e uma das mais fundamentais é a nossa caminhada.

Caminhamos mais devagar não apenas devido a eventuais problemas em nossas articulações, por exemplo, mas também devido à uma excessiva carga de estresse, o que gera uma sensação de fadiga. Caminhar mais devagar, entretanto, é muito mais prejudicial do que muitas pessoas pensam: diminuir a velocidade afeta a forma como nosso corpo está acostumado a funcionar, e pode aumentar o risco de desenvolvimento de doenças cardíacas.

Mas e agora? Precisamos correr para uma academia e passar horas na esteira na velocidade máxima, calçando tênis para atletas de alta performance?

Na verdade não: essas caminhadas são aquelas do dia-a-dia, e o governo britânico, por exemplo, indica que pessoas entre 40 e 60 anos passem pelo menos 10 minutos diários em caminhadas rápidas, a fim de diminuir em até 15% o risco de morte prematura. Pode ser de casa para o trabalho, ou até a padaria, não importa.

Mas e quanto à velocidade?

Bem, o governo britânico também chegou à um numero: 3 mph, algo em torno de 4,5 km/h. E se você está preocupado em como medir a velocidade, pode recorrer à milhares de aplicativos de celular que dão assistência à corredores; mas se não gosta ou não quer carregar seu celular durante sua caminhada, apenas apresse o passo: caminhamos à uma velocidade média de 3 km/h, então caminhar a 4,5 km/h é como dar aquela acelerada pra não perder o ônibus ou fugir da chuva.

Fique atento à sua velocidade, caminhe um pouco mais rápido. Passar horas na academia toda semana nem sempre é necessário.

 

Fonte da imagem: Hermann/Pixabay.

 

Banner do site Reinehr.org