f o i  .  n o .  m ê s .  d e .  s e t e m b r o , mais precisamente no dia 22, que adentramos nos jardins floridos da primavera !

t r a t a – s e .  de uma estação do ano que de uma forma geral é pouco percebida pelos povos que vivem nos trópicos, não apenas pelo fato inequívoco de que a presença quase constante do calor durante todo o ano faz parecer que por aqui ou tudo é verão, ou inverno …. mas também, por se ter construído extensivamente sobre a outrora exuberante flora & fauna da diversificada vegetação de pindorama , mais que cidades, asfálticos e poluidores centros urbanos de concreto, tijolo e aço ….

n a . r e a l i d a d e , verdadeiras conurbações urbanas que em nome da ordem & progresso positivista desterraram morros, desmataram florestas e secaram a fonte de muitos rios, quando não os tornaram completamente invisíveis …. que o projeto Rios e Ruas    – que vem mapeando de forma aberta por toda a grande São Paulo esta verdadeira riqueza ambiental –  que o diga !

m a s . m u i t o . s e . e n g a n a .  àquele que achar que a primavera nos é completamente desapercebida. Houve um tempo que o escrevinhador deste artigo aqui, perambulando pelos interiores de inúmeros mundos sociais que (ainda) são as pequeníssimas cidades para não dizer vilas, esbarrava na espantosa lucidez e conhecimento alquímico de rezadeiras, benzedeiros, curandeiras e raizeiros  … gente verdadeiramente primaveril !

c o m o . s e r e s . d i m e n s i o n a i s . que transitam entre a mata profunda e a luz elétrica das civilizações, estes caboclos, índias e caipiras, são fascinantes em tantos sentidos , das peculiaridades da linguagem às narrativas que transcendem incólumes o tempo de quaisquer novos tempos, que julguei mais apropriado que você sentisse todo este manancial de impressões, em segunda mão, pois de primeira tem que ser ao vivo & a cores, sem filtro !

e .  j á .  a b r i n d o .  o s  .  t r a b a l h o s , esbarrei em 2014 num trabalho espetacular da Telma Grandi – uma farmacêutica desobediente e exploradora lá dos gerais de Minas que não engole a indústria farmacêutica – que mapeou durante uma expedição que durou 03 anos plantas medicinais junto a incríveis 80 raizeiros acabando por fazer um verdadeiro e inédito tratado sobre 383 espécies de  plantas medicinais mineiras  ! isso mesmo que você leu, mineiras , pois segundo a própria, a cultura de manejo e plantio, fora obviamente do tipo de vegetação e clima, influencia sua vitalidade e propriedades …..

d a í .  t e  .  p e r g u n t o :  seria essa uma perspectiva ” trans-simbiótica ” válida para se amplificar o entendimento sobre a epigenética ?  Ou seja, um tipo de tecnologia social entre, para e com pessoas (P2P) presente em qualquer cultura humana que literalmente sempre conversou em muitos sentidos com a fauna e flora do exuberante cosmos natural deste planeta e nós daqui do alto da torre de marfim da estatista civilização ocidental grego-romana que ainda somos, embebidos que estamos na tal singularidade tecnológica, perdemos completamente o contato em nome do ” progresso ” aqui mencionado ?

m a s  .  v a l e  .  d i z e r , paradoxalmente, que se não fosse pelas tecnologias da informação e comunicação (TICs) o Medictando em si não existiria como possibilidade de interconexão entre todos nozes e, dessa forma, a potencial geração de conversas não territorializadas (como a que podemos ter a qualquer momento seja lá onde você estiver) sobre sabedorias ancestrais diversas tão ligadas ao paradigma milenar da sedentariedade, seriam inimagináveis, não é mesmo ? ou não ?

Dito isso e muito mais, te convido a fazer uma transcendental viagem a estes mundos sociais absurdamente atemporais:

 

O RAMO

 

 

RUI DE PAULA

 

 

 

A CIÊNCIA DOS ENCANTADOS

 

 

 

AS PLANTAS DO ZÉ VENCESLAU

 

 

 

RAIZEIROS E RAIZEIRAS DO CERRADO

 

 

 

LABORATÓRIO DE CACHAÇA DO SEU ALTAIR 

 

 

 

Banner do site Reinehr.org