patricia

 

Aos que ainda duvidam dos benefícios das técnicas de relaxamento e da meditação:
No artigo anterior, falamos sobre os benefícios dessas técnicas e da necessidade primordial de criarmos um novo olhar para elas, desprovido das questões religiosas.
Isso porque o fato de estarem vinculadas a muitas religiões, senão a todas, faz com que muitos tenham restrições à prática.
É preciso que as pessoas saibam que as técnicas de relaxamento, assim como a meditação são processos utilizados há séculos e não uma moda surgida com os hippies, por exemplo.
A participação desses na divulgação dessas práticas, está intimamente ligada ao conceito de “paz e amor” que os definia e que nos faz tanta falta hoje.
Mas falando assim, pode parecer que estou dando um tom apenas histórico ao assunto.
Hoje, com o desenvolvimento das neurociências e das ferramentas de neuroimagens, já existem estudos no Brasil e no mundo que demonstram a eficiência dessas técnicas.
Já se tem informações que a prática promove espessamento do córtex cerebral nas áreas responsáveis pela atenção, pela tomada de decisões, pelo controle de impulsos e pela motivação, por exemplo.
Exames comparativos do funcionamento e da constituição do cérebro de praticantes e não praticantes mostraram que os primeiros são beneficiados.
Como psicóloga e usuária das técnicas em psicoterapia, posso afirmar que os resultados são excelentes, especialmente quando contam com a participação ativa do paciente (ou de participantes de grupos sem queixas de transtornos emocionais) e desde que o método seja bem aplicado e quando necessário haja complementação com outras técnicas psicoterápicas, inclusive a psicanálise tradicional.
Os resultados são muito evidentes em queixas de ansiedade e no controle de sintomas fóbicos por exemplo.
Também há um grande impulso na melhora do estado depressivo, na atenção, na memória e especialmente no auto controle.
Essas evoluções positivas permitem ao praticante agir com mais tranquilidade no mundo. A evolução no ambiente profissional e pessoal é clara. Conflitos são resolvidos mais facilmente, mecanismos de adaptação social são elaborados e para os que já são pacientes em psicoterapia os resultados são animadores.
Meu programa mais frequentada é composto de 10 encontros de 1:30 min cada ou dois de 6 horas de duração. Quando individual, reduzimos o tempo de trabalho já que posso me dedicar integralmente ao cliente. Porém minha experiência aponta para os benefícios do trabalho em grupo que dará aos participantes informações que poderão ser úteis em sua prática cotidiana.
Meu alerta principal, fica por conta da necessidade de haver uma entrevista inicial aos que se candidatem a participantes, feita por psicólogo ou psiquiatra. Isso porque é preciso considerar critérios individuais para não prejudicar o grupo.
Até a próxima conversa,
Namastê

Banner do site Reinehr.org