otimismo_600

Felicidade tem a ver com otimismo, mas também com ajuste de expectativa. Vários estudos corroboram esta afirmativa. Hanssen, Vancleef et. al demonstraram que uma disposição otimista, uma expectativa de um desfecho bemsucedido estão associados a uma maior bem estar físico e psicológico. O enfrentamento tem sido considerado o mediador dessa relação causal.

De um ponto de vista motivacional, as pessoas pronadas ao otimismo têm muito mais confiança em alcançar seus propósitos e, por isso, os perseguem de forma tenaz. Entretando, a capacidade de se ajustar flexivelmente em caso de adversidades é igualmente importante e, no estudo, demonstrou-se como uma via ainda mais poderosa para alcançar o bem-estar do que a tenacidade em alcançar objetivos, isoladamente. Em resumo, é importante ser confiante, otimista e buscar aquilo que se quer mas é igualmente importante conseguir compreender que, em face de adversidades, nem sempre temos condições de atingir o que planejamos originalmente e saber readequar nossos objetivos de forma flexível nos ajuda a manter o bem-estar e evitar estados de desequilíbrio como estresse, depressão e ansiedade.

O otimismo melhora a sua saúde de várias maneiras, incluindo a redução do estresse, a tolerância à dor e a longevidade para aqueles com problemas de coração. Se você escolher olhar para o lado bom e positivo das coisas, também estará escolhendo a saúde e a felicidade. Seligman resumiu o que talvez seja a principal característica dos otimistas em seu livro mais elogiado, Learned Optimism (Aprendendo o Otimismo, em tradução livre):

“A característica que define os pessimistas é que eles tendem a acreditar que as coisas ruins vão durar muito tempo, vão minar tudo aquilo que eles fazem, e é tudo culpa deles. Os otimistas, quando confrontados com os mesmos problemas, pensam da maneira oposta. Eles tendem a acreditar que a derrota é só um retrocesso temporário e que as causas estão confinadas àquele caso em particular. O otimista acredita que a derrota não é culpa sua: as circunstâncias, o azar ou outras pessoas têm culpa. Essas pessoas não se abalam com derrotas. Confrontadas com problemas, elas os encaram como desafios e tentam de novo, com mais empenho.”

Leituras:

1. Optimism, Motivational Coping and Well-being: Evidence Supporting the Importance of Flexible Goal Adjustment – M. M. Hanssen, L. M. G. Vancleef, J. W. S. Vlaeyen, A. F. Hayes, E. G. W. Schouten, M. L. Peters – Journal of Happyness Studies, september 2014

2. Positive thinking: Stop negative self-talk to reduce stress – http://www.mayoclinic.org/healthy-living/stress-management/in- depth/positive-thinking/art-20043950

Banner do site Reinehr.org