consciencia-desperta-bem-estar

Um aumento na consciência desperta, caracterizada como prestar atenção de uma forma particular, com propósito, ao momento presente, e de forma não julgamentosa, aumenta o bem-estar, definido como “uma ampla categoria de fenômenos que incluem as respostas emocionais das pessoas, satisfação pessoal e julgamentos globais sobre a satisfação na vida”.

Práticas de meditação que foram inseridas na maior parte das intervenções modernas que buscam o despertar da consciência originaram-se das tradições taoísta chinesa, budista indiana e hindu.

A palavra meditação origina-se do latim meditari, significando contemplação ou reflexão, e geralmente busca regular os processos mentais através da consciência e da atenção. A evidência sugere que a meditação e as práticas contemplativas associadas reduzem os níveis de estresse e aumentam a consciência desperta, frequentemente acompanhados de calma interna, auto-estima e auto-respeito, e promove o bem-estar.

Pessoas que meditam reportam índices maiores de bem-estar do que não meditadores, e ambos tipos de meditação (monitoramento aberto – abertura para perceber o observar qualquer sensação ou pensamento sem focar em um conceito na mente ou em um item fixo, também chamada de meditação silenciosa; e atenção focada, focar em um item, pensamento ou objeto, também chamada de meditação contemplativa) são capazes de aumentar a consciência desperta e o bem-estar. A frequência da meditação, no entanto, é um preditor melhor do bem-estar do que o tipo de meditação.

Além de práticas de meditação específicas, uma diversidade de práticas como yoga, tai chi, promovem um estado de consciência desperta.

Práticas contemplativas são definidas como “atividades estruturadas que treinam capacidades impondo alguma disciplina a um hábito físico ou mental desregulado”. Independente do tipo de prática que cria a consciência desperta, elas contribuem à sensação de bem-estar diretamente por aumentar a capacidade de se engajar em, aproveitar e saborear experiências positivas e, indiretamente, ao aumentar as habilidades auto-regulatórias que promovem avaliações adaptativas de adversidades e comportamentos.

Consciência desperta é a prática de estar totalmente presente em cada momento (receptivo, curioso, aberto). Podemos praticá-la na forma que respiramos, comemos, andamos, lavamos pratos, escovamos os dentes…

Entre os benefícios de manter a consciência desperta estão:

  • redução do estresse, da ansiedade e da depressão
  • melhora da qualidade de vida em pacientes crônicos
  • melhora do sistema imunológico
  • melhora em pessoas com adições (cessação do tabagismo)
  • melhora do comer compulsivo (desordens alimentares e controle do peso)

Uma forma de praticar a consciência desperta é realizar uma tarefa de cada vez, e focar intensamente no que se está fazendo no momento presente. Um hábito difícil de se desenvolver em tempos cada vez mais multitarefas e com as distrações das redes sociais e outros apitos e buzinas que insistem em chamar nossa atenção.

Leituras:

1. Associations Between Mindfulness, Psychological Well-Being, and Subjective Well-Being with Respect to Contemplative Practice – Adam Hanley, Alia Warner e Eric Garland, Journal of Happinness Studies (Agosto de 2014)

Banner do site Reinehr.org